TOP FITNESS

TOP FITNESS

terça-feira, 20 de junho de 2017

O DEPUTADO RICARDO ARRUDA, O BARREADO, O PEN 51 E O VEREADOR JUNIOR BRINDAROLLI, UMA UNIÃO EM TORNO DE MORRETES.

Numa noite dessas tivemos o prazer de receber na nossa casa para um barreado esperto nossos amigos do PEN 51, hoje o partido político que mais cresce no Brasil. Entre nossos ilustres visitantes estava o Deputado Missionário Ricardo Arruda, Corregedor daALEP e Presidente do PEN 51 no Paraná. Recebemos nossos amigos do partido com a ajuda do vereador de Morretes pelo PEN, Junior Brindarolli. Participaram também do evento amigos do PEN de Paranaguá, inclusive a advogada Roselaine Barroso, a nova Presidente do PEN naquela cidade. Apesar de ser um jantar entre amigos, o assunto foi o momento político brasileiro, as necessidades do município de Morretes e como o partido através do Deputado Ricardo Arruda pode ajudar no desenvolvimento da nossa cidade. Uma noite agradável, agendada pelo Amigo e padrinho do PEN morretense Amaury Castanho e o assessor parlamentar e futuro candidato a Senador Ze Boni. O Deputado Ricardo Arruda deixou clara a intenção de ajudar Morretes e prometeu não poupar esforços para materializar essa intenção. Convidou o vereador Junior a visitar seu gabinete e colocou toda sua estrutura parlamentar para que o vereador possa exercer da melhor forma possível seu mandato e através dele buscar melhores condições na geração de emprego e renda para os nossos munícipes. O encontro terminou com a oração da pastora Isabel de Paranaguá que abençoou a todos. Novos encontros acontecerão sempre com a intenção de ajudar nosso município. 

11 comentários:

  1. Espero que não seja mais um deputado que só venha buscar voto em 2018. Quantos deputados e seus apoiadores que ganham voto e esquecem de Morretes. Morretes precisa de muito apoio que situação é crítica pela falta de recursos. E o hospital continua sendo um problemas de várias gestões que precisa ser resolvido. Seja ele sendo público ou privado. O problema do hospital já não é mais de legenda e sim de todos.

    ResponderExcluir
  2. Orley é boataria que o hospital de Morretes não pode funcionar por falta de documentos mínimos para ficar aberto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O hospital com os problemas que têm hoje é uma herança recebida pelo Marajá dos governos que os antecederam. Na gestão passada em momento algum o Helder tentou acertar a documentação do nosso hospital, se limitou a fazer um acordo bastante confuso com a tal Hygea, uma terceirizada que faturava um ágio de até 170%. Ali para pagar um salário de 880 reais o Helder entregava 3550 reais a tal Hygea é claro alguém nessa história estranha ficava com o troco. Ao invés de buscar regularizar o que o Amilton fez, por puro ódio o Helder preferiu sacrificar o hospital e por conseguinte o povo de Morretes. Hoje cabe ao Marajá desatar esse nó deixado pelos seus antecessores. Mas o povo de Morretes pode ficar sossegado que o nosso hospital vai continuar por muito tempo servir os seus verdadeiros donos, o povo de Morretes. Sempre lembrando que as mesmas tralhas que espalham por aí o fechamento do hospital são aqueles que nada fizeram para resolver os problemas que apareceram.

      Excluir
    2. Hoje o hospital deve quanto? Quem fez as dívidas?

      Excluir
  3. Morretes tem eleger gente nova e não os nomes de sempre. O hospital é apenas um dos problemas para o Marajá resolver. Em seis meses a Câmara não mostrou nada de novo e bem parecida com outras legislaturas.

    ResponderExcluir
  4. O tempo passa muito rápido e precisamos de ações rápidas e objetivas...logo se vão 4 anos e o discurso não pode ser o mesmo, que isso é um passivo anterior coisa e tal...obviamente entendemos as dificuldades, as limitações atuais. De maneira geral o povo está mais interessado em saber o que será feito, com clareza, sem parábolas ou mistérios, muito mais do que deixou de ser feito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No mês passado falei para um vereador da velha guarda, com a vitória do Marajá será o divisor de águas na política de Morretes. Se o Marajá fizer uma gestão de como ele começou e não ser atrapalhado pelos devaneios de seus comissionados pelo poder. O Marajá será reeleito com folga. Se ele fizer uma parecida com as gestões de ódio e incompetência, o próximo prefeito assume prefeitura quebrada e sem condições de honrar seus compromissos sociais. E todas as gestões ruins serão esquecidas e elegendo um falso salvador da pátria ou um representante da elite que participou diretamente do caos instalado.

      Excluir
  5. O dublê de pastor da Igreja Mundial e político deputado estadual Ricardo Arruda pode perder o mandato. Cometeu o erro de “infidelidade partidária” ao mudar do PSC para o PEN fora do prazo previsto na lei. Ele já havia mudado de partido, inscrevendo-se no DEM, mas dentro da janela de mudança partidária. Como se vê, o pastor não muda de Igreja (ainda), mas muda bastante de partido. O DEM poderia reivindicar a vaga, mas não o fará. Quem vai tomar a iniciativa são três suplentes do PSC: Luiz Corti, Élcio Jaime e Carla Pimentel. No momento, Luiz Corti ocupa a vaga de Ratinho Jr, que licenciou-se para virar secretário de Desenvolvimento Urbano. Mas deverá voltar à Assembleia para candidatar-se a governador.

    ResponderExcluir
  6. Só para lembrar, não existe episódio mais triste é bizarro que banho mendigo em Paranaguá na casa do advogado bacanào! Deprimente! Então meu caro cuidado quando entrar nessa seara, não me custa nada contar essa história completinha!.

    ResponderExcluir
  7. O hospital tem de ter solução defenitiva e não os boatos que ele pode ser interditado. E a prefeitura tem de mostrar o que ela está fazendo para evitar a interdição. Apenas se ouve que está sendo tomada as providências. Que providências que estão sendo tomadas?

    ResponderExcluir
  8. Oeley existe algum plano ou previsão para arrumar o muro que foi derrubado pela enchente da Casa Rocha Pombo. Um lindo património histórico que revela uma propriedade antiga e muito aconchegante de Morretes e localizada no centro histórico.

    ResponderExcluir